Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Os mil pássaros de Sadako (1ª parte)



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


Quanto custa ter um filho?
Maio, 2011
Dra Ana Serafim - www.portal-gestao.com

[ver mais artigos deste autor]
  Uma criança traz sempre uma série de alegrias e de despesas adicionais consigo, com grande impacto no seu orçamento familiar. Desde as despesas mais básicas, como a alimentação, vestuário e saúde, até às mais dispensáveis como roupas de marca, um bebé pode custar muito dinheiro.

  De facto, as despesas com os filhos começam mesmo antes do nascimento: consultas médicas, ecografias, tratamentos de fertilidade (se necessários), cursos de preparação para o parto, entre outras necessidades podem ascender a vários milhares de euros.

  Antes do nascimento

  Se considerarmos que uma mãe realiza cerca de 11 consultas médicas e faz cerca de 5 ecografias durante os nove meses de gravidez, e que cada consulta custa cerca de €50 e cada ecografia cerca de €25, facilmente desembolsamos €675, só com cuidados médicos básicos. Um curso de preparação para o nascimento custa cerca de €200.

  Mas estas despesas são as mais básicas. Se quiser ter o seu filho numa maternidade privada, o custo poderá rondar os €1500 e os €3000 dependendo do tipo de parto e da variedade e do nível dos serviços oferecidos. Actualmente, as clínicas privadas oferecem uma série de serviços complementares ao parto, como por exemplo, música ambiente, quarto privativo para o pai ou outros elementos do agregado familiar, serviço de refeições à escolha, além de poder escolher o médico e o pediatra.

  Antes de a criança nascer, os pais têm de antecipar um conjunto de necessidades que acarretam mais custos: o quarto (que inclui no mínimo um berço, uma cómoda e um fraldário), assim como um carro de bebé, uma alcofa e uma cadeira de transporte automóvel. Além destas despesas, poderá contar também com biberões, roupa do berço e de vestir, brinquedos, chupetas e uma banheira para bebé. No mínimo, gastará €1500. Tenha especial atenção aos custos do carro de bebé, pois variam muito de marca para marca e em função da qualidade dos materiais.

  Muitos destes artigos podem ser comprados na internet a preços muito interessantes. Se tiver experiência em compras pela Net, vale a pena comparar os preços em sites como o ebay e a amazon.

  Uma outra decisão que os pais têm de tomar antes do nascimento é se pretendem preservar as células estaminais do bebé. Existem dois custos envolvidos nesta decisão: o kit de recolha, que deverá ser adquirido até um mês antes do parto e a recolha do sangue e do cordão umbilical durante o parto. O kit pode custar cerca de €150 e a recolha pode custar cerca de €1000. Portanto, aqui temos de ponderar: vale a pena este investimento ou é apenas uma moda, como afirmam alguns especialistas?

  A análise deste investimento deve começar pelo benefício esperado com a preservação das células estaminais. Para que serve concretamente?

  Comecemos pelas definições. As células estaminais são células indiferenciadas, não especializadas e com a capacidade de auto-renovação e diferenciação em diferentes tipos celulares. Podemos recolher células estaminais durante o parto ou de um adulto, sendo mais vantajoso obtê-las de um recém-nascido porque são mais resistentes e têm maior capacidade de proliferação do que se obtidas a partir de um adulto.

  A recolha de células estaminais serve para combater doenças como leucemias, anemias e doenças hereditárias do sistema imunológico, entre outras.

  Saber com rigor se vale ou não a pena fazer a preservação das células estaminais é sobretudo uma questão de fé. É assim uma vez que a evidência empírica sugere ainda uma aplicação muito limitada em número. Aliás, uma grande parte das aplicações médicas encontra-se ainda em estudo. Além disso, a preservação e armazenamento das células tem uma duração limitada a 20 anos. Portanto, esta despesa é dispensável a não ser que seja muito conservador.

  Após o nascimento

  A primeira despesa que ocorre a qualquer pai (ou mãe) quando se fala em bebés é as fraldas. Se considerarmos que uma criança consome 6 a 7 fraldas por dia durante os primeiros dois anos de vida, chegamos à conclusão que vai gastar um total de, digamos, 6.5 x 730 dias = 4745 fraldas! Para os novos pais, este número pode parecer assustador...

  Ora, se cada fralda custar €0.26 (tendo em conta que uma embalagem de 60 unidades custa €15,98), o custo total com fraldas é de €1263,75. Impressionante, não?

  Os custos com alimentação de um bebé podem variar entre os €200 e os €300 por mês, ... se for amamentado, não custará muito. Cada embalagem de leite em pó custa cerca de €15. Depois dos primeiros meses, começa a comer papas e sopas. Comprando os ingredientes (à base de legunes) também não gastará muito. A partir dos 3 anos de idade, uma criança gastará quase tanto como um adulto.

  O vestuário: como o bebé está sempre em grande crescimento, precisará de substituir a sua roupa com muita frequência. Claro que existem lojas mais acessíveis que oferecem baby grows por €15. Tenha em conta que precisará de roupa que vai durar pouco tempo e que se vai sujar muito. Também vai precisar de comprar roupa interior. Quando o bebé começar a gatinhar, a sua roupinha vai desgastar-se mais nos joelhos. Até lá, os sapatos são dispensáveis.

  Infantário: Os mais baratos, que não têm apoios sociais, custam cerca de €200 por mês. Mas se escolher um infantário com serviços com actividades de desporto, cultura e com instalações mais sofisticadas, podem custar cerca de €600 por mês.

  Um estudo efectuado pela Liverpool Victoria Society do Reino Unido aponta para um custo de cerca de €250.000 para criar um filho até aos 21 anos de idade, considerando que vive numa cidade periférica. Por isso, não pense no dinheiro que vai gastar com o seu filho, pense nas alegrias que ele lhe vai dar e viva a sua vida!
[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2020
Desenvolvido por:
 CCEB