Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Mamadou sorri enquanto bebe uma chávena de chá



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Notícias

 



Pais preocupados com programas para crianças
19-10-2007
Diário de Noticias
  A televisão infantil atravessa, no Reino Unido, uma crise sem precedentes, que iniciou o debate na sociedade britânica. A oferta diversificada dos canais da televisão digital e as crescentes restrições publicitárias estão a obrigar as televisões do país a abandonar os mais novos.

   Na verdade, nunca houve tantas horas de programação infantil nas televisões britânicas como hoje em dia, com 25 canais dedicados e 113 mil horas de emissões anuais (na década de 50 eram transmitidas mil horas ao ano).

   Mas o exaustivo relatório apresentado pela Ofcom, a entidade que regula os media britânicos, mostra que, em 2006, de toda a programação para crianças transmitida no país, apenas 17% foi produzida no Reino Unido, e apenas 1% estava a ser transmitida pela primeira vez. O regulador avisa que, apesar da fragmentação generalizada das audiências, as televisões britânicas estão a reduzir as horas de emissão para crianças, e a abandonar o investimento nas produções próprias direccionadas aos mais novos.

   Segundo a entidade, a generalidade dos pais britânicos estão compreensivelmente preocupados com a redução na aposta "caseira", que dá lugar aos desenhos-animados e à importação de conteúdos norte-americanos.

   A Ofcom revela que o investimento por parte das televisões ITV1, GMTV, Channel 4 e Five é hoje metade do efectuado em 1998. No entanto, a voz dos anunciantes britânicos, a ISBA, acusa a Ofcom de também ser responsável: "As restrições impostas aos anúncios de comida para crianças reduziram as receitas das estações de televisão, e o seu desejo de investirem numa programação infantil, incluindo em produções próprias". Acusações já refutadas pelo regulador: "O investimento está em queda desde 2002, muito antes da entrada em vigor das novas regras de publicidade para crianças".

   Anna Home, responsável pela campanha Save Kids TV (em português, salva a televisão para crianças), acredita que "a Ofcom identificou uma falha no mercado e que uma tradição de 60 anos de serviço público para crianças está à beira do colapso". "A competição pela audiência diurna adulta está a aumentar, o que eleva a pressão para diminuir o compromisso para com as crianças na BBC1", concluiu Home.

   A ex-responsável pela programação para crianças do canal público afirma que a BBC "necessita de uma competição saudável e de uma indústria de produção vibrante para continuar a oferecer programas inovadores, desafiantes e abrangentes às nossas crianças".

   O responsável pelo grupo Voice of The Listener and Viewer (em português, voz do ouvinte e espectador) explica porquê: "Para que [as crianças] desenvolvam uma identidade cultural forte, e cresçam como cidadãos desta nação, mentalmente e emocionalmente maduros, precisam de programas que reflictam a sua rica herança linguística, literária, valores e ambiente".

   Produtores independentes já avisaram. Sem uma acção imediata, a produção própria desaparecerá, "deixando às futuras gerações nada mais que a repetição de programas e a importação de outros países".

  


<<  voltar  |  topo  |  Todas as Notícias





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2020
Desenvolvido por:
 CCEB