Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Um buraco na asa (2ª parte)



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


Um cesto cheio de Histórias
Abril, 2008
Mafalda Milhões - Cadernos de Educação de Infância
APEI - Assoc. de Profissionais de Educação de Infância


[ver mais artigos deste autor]
Ler com os cinco sentidos

Era uma vez uma menina que tinha três anos. Os olhos eram azuis e o sorriso era gigantesco e terno ao mesmo tempo. Na cabeça crescia um cabelo novo, uma espécie de penugem que veio substituir o cabelo velho.
Era uma vez um menino muito chateado com o mundo, que gostava de ouvir e contar histórias.
Era uma vez muitos pais que se esquecem de pôr os cintos aos filhos sempre que andam de carro...

  Quando chego ao hospital as enfermeiras costumam gritar:
  Chegou a Mafalda, vamos ouvir uma história!
  Sinto-me sempre uma rainha quando sou anunciada aos berros pelos corredores do hospital. A caminho da sala vou perdendo a altura, a pose, os anéis, o vestido bordado a ouro e a coroa. Quando chego à sala ou aos quartos, de mim resta apenas a Mafalda que leva na mão uma cesta cheia de livros, um sorriso no rosto e o coração apertadinho.

  Já perdi a conta às vezes que entrei nos hospitais, mas nunca perdi o medo de ouvir o que não quero.
  Com vontade de estar com todos a contar e a ouvir, sei que o objectivo destas visitas é levar a rua, os barulhos, as histórias e os contos a quem vive isolado de tudo e todos.

  Umas vezes trocamos segredos, outras contamos anedotas, outras não dizemos nada e outras contamos histórias do princípio ao fim. Vou sempre com tempo para não entrar ou sair a correr, afinal quando visitamos os amigos não há pressa para vir embora.

  No cesto levo livros para bebés, contos tradicionais, histórias do dia-a-dia, um jornal cheio de notícias, objectos que contam histórias, fotografias, jogos e um ou outro brinquedo. Quando tenho tempo levo bolos e bolachas que eu mesma faço. Não existem segredos para fazer este trabalho, também não existem as histórias mais indicadas ou os livros certos para levar para o hospital. Tudo depende do dia, da hora e da disponibilidade do público que está ou não à minha espera.

  É importante estar seguro e preparar a visita, mas temos de ter consciência de que o objectivo final não é fazer um brilharete mas sim estarmos disponíveis, para brincar e estar um bocado com os pais, os filhos e a equipa hospitalar que tão bem nos recebe.

  Gosto de contar histórias de animais, de princesas e meninas que não gostam de comer a sopa. Gosto de contar contos que me contaram e continhos de ratinhos. Gosto de provocar sorrisos e ouvir confidências.

  Agora que sou mãe, gosto de pensar que faço companhia aos filhos dos outros e penso muitas vezes que se fosse eu a estar do outro lado ficaria contente se alguém fizesse o mesmo por mim e pelos meus.Agora, mais que nunca, sinto que todo este trabalho faz todo o sentido.

  Para terminar queria dedicar este artigo ao Mauro, um menino como tantos outros que nos ensinou a todos o valor da vida.

Mafalda Milhões - Cadernos de Educação de Infância nº78
Data: Agosto, 2006
[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB