Saúde Puericultura Pré-mamã e Mamã Educação Desenvolv. Infantil Desporto Festas Infantis Material Didáctico Actividades Lúdicas Vestuário Casa e Decor Transportes Produtos Biológicos Yoga Massagem Infantil Seguros e Finanças Viagens e Lazer Animais Ofertas Formativas Artigos 2ª Mão

Publicidade




Ler uma História

Os mil pássaros de Sadako (1ª parte)



ler história


Receitas da Semana

Cake Pops



ver receita


Venda de Livros

 


 
FacebookTwitterGoogle+LinkedInNewsletter
Artigos

 


Ver todos os artigos  |  Categorias


MONO-Famílias Monoparentais Online
Julho, 2008
Ana Luísa Pinho, Professora e Jornalista

[ver mais artigos deste autor]
  A MONO-Famílias Monoparentais Online é uma iniciativa que tenho vindo a desenvolver há cerca de um ano.

  Como família monoparental, apercebo-me facilmente das dificuldades que se apresentam a estas famílias, quer no campo social, económico ou psicológico, entre todas as esferas da acção familiar.

  A partir da minha experiência pessoal, procurei encontrar outras pessoas com quem trocar experiências e criei um blogue, um grupo de discussão e uma petição online. Tenho recebido inúmeros contactos via email e telefone em busca de apoio e, neste momento, a MONO está em vias de se tornar uma organização formal.

  Por coincidência, a Cláudia, uma mãe solteira, teve exactamente a mesma ideia: criar uma associação de famílias monoparentais. Um dia leu no jornal sobre a petição da MONO e contactou-me. Unimos os projectos e, por outra feliz coincidência, a MONO ia promover uma venda de roupa de criança ao preço simbólico de 1 Euro e a Cláudia é dona de uma loja de roupa de criança em segunda mão! Conversámos e chegámos à conclusão que partilhamos dos mesmos objectivos: uma família monoparental não é só mãe ou pai e crianças, há as situações de viuvez, os idosos que vivem com um dos filhos ou mais, os adultos sós que adoptaram, enfim, para nós basta haver um progenitor e um dependente para falarmos de família monoparental.

  Contudo, projectos destes merecem uma atenção permanente e uma dinâmica em que outros já estabelecidos podem contribuir. Assim, teremos que contar com gente de "dentro", as famílias monoparentais, e gente de "fora", organizações e outros. Todos os dias há contactos a fazer e respostas a dar.

  As situações de divórcio e as dificuldades financeiras são as que pedem mais urgência e atenção. Para lhes darmos resposta, temos que oficializar a MONO como Instituição Privada de Solidariedade Social. Concorremos ao Programa Mais, uma iniciativa da Microsoft para a Cidadania, e estamos a preparar outras propostas para o arranque com financiamento assegurado.
  Entretanto, vamos reunindo apoios, já temos um psicólogo, mais de vinte voluntários prontos a ajudar, mais de 300 assinaturas na petição, o número de visitas no blogue aumentou e os emails não param de chegar.

  No texto da petição de apoio a famílias monoparentais (http://www.petitiononline.com/1495038/petition.html) realçamos que: "Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE) estas são as famílias em maior risco de pobreza e sem emprego fixo. No topo dos agregados familiares em risco de pobreza estão as famílias compostas por um adulto e crianças dependentes (41%). Em segundo lugar, os idosos a viver sós (40%) e em terceiro, as famílias compostas por dois adultos com três ou mais crianças dependentes (38%). Em relação ao emprego, a percentagem de agregados sem emprego com crianças dependentes subiu de 56% em 2004 para 73% em 2006."

  Olhando para estes dados percebemos como é preocupante a situação da maioria dos monoparentais, e se acrescentarmos que em Portugal a maioria das crianças são pobres, temos que começar a apoiar as famílias, seja qual for a sua forma. Para nós, ser monoparental não é condição ou privilégio, é uma consequência mas faz parte da evolução actual e não a podemos ignorar. Em países como a Inglaterra, as famílias monoparentais aumentaram de tal forma que já existe um sistema montado para estas famílias, prevenindo situações de pobreza e exclusão social.

  Infelizmente, existe um estigma associado às famílias monoparentais, o fracasso de um projecto de vida. Não é por isso que merecem menos atenção do que as famílias ditas tradicionais. Ser pai ou mãe monoparental não é tarefa fácil, entre compras, levar crianças à escola, limpar a casa, lavar e engomar roupa, cozinhar, ajudar nos TPC, tratar de papeladas, trabalhar, passear com os filhos... poucos terão algum tempo livre e a maioria quase não tem tempo para respirar quanto mais tempo para si próprio/a.

  É a estas mães e pais que a MONO quer ajudar.
[ver mais artigos deste autor]


<<  voltar  |  topo  |  Todos os Artigos





Termos e Condições de Utilização
Copyright - Portal da Criança - 2007-2014
Desenvolvido por:
 CCEB